ramacrisna topo

Candidata Dorinha (PSTU)

entrevistadorinha1) CORTE DE GASTOS x DÍVIDA PÚBLICA

Nossa administração dará prioridade para os serviços básicos para a população pobre e trabalhadora. Então ela, através dos Comitês ou Conselhos Populares determinará onde será investido 100% do orçamento do município. Nós propomos, entre outras medidas:
- Diminuir o salário dos cargos de prefeito e vice-prefeito;
- Exigir a redução dos salários dos vereadores, bem como o gasto com benefícios, gabinetes;
- Diminuir o gasto com Secretarias; os Comitês estarão atuando em toda a cidade, não precisa de tantas secretarias, Superintendências e outros órgãos;
- Reduzir os cargos comissionados, suficiente para implementar os projetos votados pela população. Acabar com os “morcegos políticos”, que não fazem nada de útil e recebem altos salários;
- Fim do apostilamento;
- Fazer uma auditoria para ver o que são, verdadeiramente, dívidas ou apenas especulações, e fazer um plano de pagamento para as que forem reconhecidas como dívidas reais;
- Trocar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) pela Lei de Responsabilidade Social (LRS). Não é verdade que essa lei serve para moralizar os gastos públicos, caso fosse isso, não teria tanta corrupção. Um grande exemplo é a Operação Lava-jato. Essa lei só tem servido para retirar dinheiro das áreas públicas (saúde, educação, etc.).

2) FUNCIONALISMO x IPREMB

Os funcionários estão penalizados sem reajuste e reposição das perdas salariais a mais de 2 anos, reajuste do cartão Cesta Servidor, parcelamento de férias prêmio, plano de carreira emperrado, ameaças constantes de corte nos seus direitos. Trabalhadoras dos CIMs estão sobrecarregadas e pressionadas. As salas de aula cheias dificultam o trabalho do professor e a aprendizagem dos alunos. Portadores de Necessidades Especiais, mesmo com todo o louvável esforço dos educadores, não têm a efetiva inclusão com a qualidade que merecem. Os trabalhadores estão adoecendo físico, emocional e psicologicamente, inclusive os da área da Saúde. Entretanto, a Prefeitura, no ano passado, informou que estava pagando 17,50 no quilo da carne de frango da merenda escolar. Isso é um descalabro! Sem contar as pequenas reformas feitas, como limpeza de canaletas e pequenas rampas.
Mas para pagar a dívida com a nossa previdência(IPREMB) não tem dinheiro. Negocia, paga poucos meses, renegocia... e a dívida só cresce. Passa dos 500 milhões! A verdade é nua e crua: se continuar assim, o Instituto não terá vida longa, muito menos, saudável.
Propomos, entre outras coisa:
- Fim da terceirização sob qualquer forma;
- Concurso público para preenchimento das vagas em todas as áreas;
- Pagamento ao IPREMB;
- Negociação permanente com as entidades representantes dos Servidores;
- Pagar o Piso Salarial Nacional e reposição de todas as perdas.

3) OBRAS

As promessas de obras tem sido sempre uma grande barganha dos políticos em épocas eleitorais, com o único objetivo de serem eleitos e ajudar as empresas que financiaram suas campanhas. Depois, ou elas não saem do papel, ou são iniciadas e não são acabadas, ou são “elefantes brancos”, que pouco ou nada servem para a população.
Em Betim, ninguém “engole” essa história de que temos rodoviária. Ela foi inaugurada, mas não serve pra nada, a não ser passar com os ônibus próximo ao Shopping, incentivando, emocionalmente, ao consumismo e endividamento. O Teatro Municipal, mesmo tão alardeado, não saiu do papel. Outras obras eleitoreiras são sempre começadas próximo às eleições, atrapalhando o trânsito e nos obrigando a ficar olhando para elas durante horas.
No meu governo, a população definirá que obras serão feitas. O que é mais importante, fazer uma obra faraônica, gastando rios de dinheiro beneficiando empresas e pouquíssimas pessoas ou construir creches, construir e reformar escolas, construir postos de saúde (já que a maioria deles são alugados). No nosso queremos fazer obras para beneficiar a população mais pobre. Algumas delas são:
- Construção de creches;
- Construção de postos de saúde;
- Construção e reformas de escola;
- Construção de casas populares com prestações acessíveis à população de baixa renda;

4) GERAÇÃO DE EMPREGOS

- Criação de empregos através de um plano de obras públicas, como saneamento básico, construção de creches, escolas, postos de saúde, áreas culturais, de lazer, a serem construídas por uma empresa pública, estatal, controlada pelos trabalhadores, para garantir licitude e impedir qualquer fraude.
- Garantia emergencial de cesta básica para os desempregados até conseguirem emprego.
- Isenção de pagamento de água, luz e transporte para os desempregados. É inumano um desempregado ainda ter que pagar para procurar empregos;
- Mobilizar para ser aprovado no Congresso: redução da jornada de trabalho sem redução no salário, seguro desemprego enquanto perdurar a crise (não vamos pagar a crise criada por eles)
- Proibição da demissão desmotivada e expropriação, sem indenização, das empresas que receberam isenção fiscal e demitiram. (para impedir que elas venham, suguem nosso sangue e depois partam, ilesas, para outra cidade ou Estado, deixando crise e desemprego)
- Luta por garantia de estabilidade no emprego.

5) EDUCAÇÃO

O município deve garantir uma educação de ótima qualidade porque pagamos impostos altíssimos para isso. Os trabalhadores da educação estão angustiados por não conseguirem proporcionar aos alunos o que gostariam. Faltam creches para as crianças, eles estão a 2 anos sem aumento e sem reposição das perdas e do cartão Cesta Servidor. Falta garantia de tempo para reuniões pedagógicas, desrespeito à autonomia profissional na avaliação dos alunos, Cartão Cesta Servidor congelado, férias prêmio parceladas, plano de carreira emperrado, cortes e mais ameaças aos direitos. Salas cheias, adoecimento, falta de efetivo apoio para garantir aos alunos portadores de necessidades especiais (PNE) a verdadeira inclusão com toda a qualidade que eles merecem.
As trabalhadoras dos CIMs estão sobrecarregadas. Sem falar na aposentadoria, que está ameaçada e a dívida do IPREMB, que a prefeitura não paga. Propomos, entre outras medidas:
- Fim da terceirização e realização de concurso público para atender a demanda;
- Reposição das perdas salariais e pagamento do Piso Salarial Nacional (isso é lei federal);
- Negociação permanente com as entidades representantes da categoria;
- Pagamento ao IPREMB, com comprometimento nas negociações;
- Garantia de condições de trabalho e volta dos nossos direitos cortados;
- Creches para todas as crianças e garantia de ensino técnico profissional para os jovens;
- Garantia dos direitos das trabalhadoras dos CIMs;
- Inclusão real dos alunos PNE.

6) CULTURA

As políticas públicas de cultura devem voltar-se, centralmente, para a constituição de uma perspectiva crítica e ativa dos indivíduos no processo social, político e cultural.
São os trabalhadores protagonistas centrais nos processos culturais na sociedade, que preservam e recriam continuadamente suas identidades sociais, reinventam modos de vida e existência, como também suas expressões artísticos culturais. Cabe ao Governo dos trabalhadores possibilitar a dinâmica cultural por meio de estímulo à criação, acesso e fruição às múltiplas expressões de arte e da garantia da manutenção da cultura popular.
A política para a cultura desenvolvido pelos governos à frente da Prefeitura de Betim demonstrou uma concepção antipopular no trato com a cultura da cidade, reduzindo os investimentos no setor, não dando abertura aos projetos de origem popular, bem como não valorizando aqueles oriundos do povo da periferia.
Propomos:
- Criação de Conselhos Regionais de Cultura;
- Aumento dos recursos financeiros para a área cultural;
- Execução do Teatro Municipal;
- Identificação das expressões e movimentos culturais na cidade, cadastramento desses movimentos a fim de garantir equipamentos culturais, condições de trabalho, assalariamento dos profissionais e direitos trabalhistas.

7) ESPORTE E LAZER

Não respondeu.

8) FEIRA DA PAZ E BETIM RURAL

Não respondeu.

9) SEGURANÇA

Não respondeu.

10) ASSISTÊNCIA SOCIAL

Não respondeu.

11) SAÚDE

A saúde no Brasil e em Betim tem cada vez menos investimentos deixando na penúria a população mais pobre, ao mesmo tempo em que enriquece os donos de planos de saúde e hospitais privados. Esse descaso tem consequências catastróficas para a população trabalhadora e pobre da periferia. As crianças e idosos são os que mais sofrem com essa situação. Além disso, epidemias de dengue, zica e outras doenças.
As UAIs cheias, filas nos postos, farmácias fechando, faltam remédios, equipamentos, demora de meses ou anos para conseguir um exame ou consulta especializada, faltam médicos nos postos e no Centro de Referência Divino Braga, e por aí vai... Os trabalhadores da saúde também estão sofrendo horrores! Como todos os Servidores Públicos, estão sem reajustes salariais, carreira emperrada e cortes e mais cortes nos direitos:
Propomos, entre outras coisas:
- Mais verba para a saúde; CONCURSO PÚBLICO;
- Fim da terceirização, sob qualquer forma, em qualquer setor!
- Criação de Comitês Regionais de Saúde e Comitê Municipal;
- Eleição para gerentes de UBS;
- Construção de mais postos e reabertura das farmácias fechadas;
- Igualdade dos direitos para ACE e ACS;
- Política de atenção especial aos idosos, acamados, acometidos por Mal de Alzheimer e deficientes, com apoio material e psicológico para as famílias;

12) DENGUE, ZICA, ZOONOSE, LIMPEZA URBANA

Não respondeu.

13) HABITAÇÃO, SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE

FIM DA PM – POLÍCIA CIVIL UNIFICADA, ELEITA E CONTROLADA PELA COMUNIDADE!
As estatísticas das pesquisas mostram que, de cada 10 mortes violentas evitáveis no mundo, 1 ocorreu no Brasil. As vítimas são, especialmente, homens negros, jovens e pobres. Por outro lado, apenas 8% dos homicídios são investigados no país. 
Não se trata apenas de impunidade. Em 2012, o Brasil atingiu a maior população carcerária de sua história e 90% encontrava-se nos presídios. O Brasil possui a 4ª maior população carcerária do mundo!
A impunidade é um “direito” concedido apenas aos ricos e brancos, sejam eles, políticos, empresários ou grandes traficantes de droga. Aos pretos e pobres resta uma PENA DE MORTE informal ou o sistema prisional. E em Betim não é diferente. A cidade está sempre nas listas das mais violentas do Brasil e do mundo.
O Brasil vive um aumento de lutas e greves por melhores condições de vida. Entretanto, centenas de ativistas estão sendo indiciados. LUTAR NÃO É CRIME! SER POBRE NÃO É CRIME! SER NEGRO NÃO É CRIME! Para ter segurança, primeiro tem que ter emprego e vida digna para todos! Para isso, é preciso acabar com a PM, formada para a guerra e repressão das revoltas sociais; defendemos uma Polícia Civil Unificada, radicalmente democratizada, cujos delegados e chefes, sejam concursados e eleitos pela população, nas comunidades e bairros; defendemos a legalização das drogas e o controle feito pelo Estado, para acabar com o narcotráfico. E por fim, garantia de campanha de saúde pública e o atendimento estatal de saúde aos usuários.

14) TRANSPORTES

Atualmente, a maior matriz de transporte no Brasil é a rodoviária. Por ela se movimenta 60% de todas as cargas e 90% de passageiros. São 150 milhões de viagens por dia. Desse total, 59% são motorizadas, 38% à pé e, somente, 3% são feitas de metrô e trem. Das viagens motorizadas 50% é feita por automóveis particulares. E isso tem seu preço. Altíssimo.
Por que priorizar o modo rodoviário se um trem de metrô transporta tantos passageiros quanto 43 ônibus, 200 vans ou 1.200 carros particulares, além onerar tanto? Para favorecer empresas de transporte que estão intimamente ligadas aos nossos políticos e com nossa economia. A opção de transporte não está relacionada com as necessidades da população, nem com uma gestão consciente da cidade. Entra governo, sai governo e a política de transporte continua igual: para a população, passagem cara e precariedade, e para os empresários, grandes lucros, monopólio e isenção de impostos.
Mas precisamos mudar essa lógica! Essa “novela” do metrô em Betim, que se arrasta governo pós governo, tem que chegar ao fim.
O PSTU defende:
- A estatização das empresas de ônibus e a construção de uma empresa única de transportes urbanos, que integre ônibus, vans e metrô sob controle dos funcionários e usuários;
- Maior investimento para os meios de transporte;
- Construção do metrô chegando até Betim.

Adicionar comentário

Este espaço é fornecido para que os internautas possam expressar suas opiniões sobre o artigo postado. Para outros comentários clique aqui.