facetwitter

Publicidade

Outubro rosa

Criança Esperança vai apoiar ONG Circo de Todo Mundo

Quinta-feira, dia 3 de agosto. O telefone toca. A coordenadora da ONG Circo de Todo Mundo em Betim, Val Alves, atende a ligação. Do outro lado da linha é a produção do Criança Esperança, anunciando que virá à cidade para produzir uma chamada para captação de doações para o projeto. A ansiedade toma conta de centenas de crianças, jovens, pais de alunos e colaboradores da ONG.

Segunda-feira, dia 7 de agosto. A produção da Globo chega à sede do Circo de Todo Mundo, localizada dentro da Matinha do Ingá, no bairro Bueno Franco. A expectativa da comunidade aumenta. A produção pede para conhecer o espaço e solicita que todos aguardem os preparativos para as filmagens.

São 10h40. As pessoas são convidadas a entrar. Debaixo da lona de circo, um mágico começa a se apresentar. No meio, surge uma caixa preta. A ansiedade cresce ainda mais. De repente, uma gritaria, pessoas choram. É o apresentador da Rede Globo Luciano Hulk, que surge de dentro da caixa. Entre brincadeiras e risadas, ele conhece um pouco sobre a história da ONG no município. No final, anuncia a cereja do bolo: em 2018, o Circo de Todo Mundo será uns dos projetos apoiados pelo Criança Esperança.

“A ONG ser apadrinhada pelo Criança Esperança, além de dar visibilidade ao nosso trabalho, vai dar um gás a mais para que nossas ações continuem. E, como atualmente estamos recebendo pouco apoio e doações, estamos sobrevivendo. Esse recurso irá nos tirar do sufoco e vai fortalecer o nosso atendimento”, afirmou Val Alves, que não disse não poder revelar quanto de repasse a ONG irá receber do Criança Esperança.

História do circo
Organização não-governamental, sem fins lucrativos, o Circo de Todo Mundo resgata meninos e meninas em risco pessoal e social, por meio de atividades culturais, educativas, recreativas e circenses.

A ONG, que tem outras duas unidades, em Belo Horizonte e em Nova Lima, tem como bandeiras de luta a erradicação do trabalho infantil, o combate ao abuso, à exploração sexual e à violência doméstica de crianças e adolescentes.

Em Betim, o Circo de Todo Mundo foi instalado, em 2009, época que as atividades eram desenvolvidas em um terreno cedido pela prefeitura, no bairro Bandeirinhas. Sete anos depois, transferiu suas atividades para o Parque Edmeia, no Bueno Franco.

A ONG, que atende crianças e adolescentes com idades entre 6 e 17 anos e 11 meses, oferece, de segunda-feira e sexta-feira, oficinas de equilibrismo, malabarismo, acrobacia em solo e aérea. Além de atividades “extra-lona”, como oficinas de formação humana, teatro, dança e capoeira.

No local, alunos e pais ainda têm à sua disposição a Sala do Saber, composta por uma biblioteca e materiais educativos, onde os alunos recebem apoio para realizar suas tarefas escolares, além de atividades de leitura, pesquisa e escrita.

O Circo de Todo Mundo realiza, ainda, rodas de conversas com a comunidade, que abordam temas variados, como direitos humanos, protagonismo juvenil e questões relacionadas a crianças e adolescentes. “O Circo me tirou da tristeza e me trouxe de volta à alegria. Quando criança, eu era explorada e tinha que trabalhar. A ONG me alertou sobre isso e me fez uma pessoa mais alegre e comunicativa”, contou Tayuana Meneses Silva, 19, ex-aluna do projeto e, atualmente, uma das colaboradoras da ONG.

Adicionar comentário

Este espaço é fornecido para que os internautas possam expressar suas opiniões sobre o artigo postado. Para outros comentários clique aqui.



Publicidade