facetwitter

Miss Minas Gerais 2013 Janaina Barcelos

entrevistajanainabarcelosEleita a mulher mais bonita de Minas Gerais e a segunda do país no ano passado. A Betinense Janaina Barcelos, Miss Minas Gerais 2013 e Vice Miss Brasil 2013, concedeu um entrevista exclusiva ao Betim Online em sua residência na cidade.
Simpática, sorridente, bem humorada e bastante determinada, Janaina falou sobre o início da sua carreira como modelo, a apresentação de um programa de TV na Europa, o título de miss, e a doença que está provocando a perda da sua visão - retinose pigmentar.

- Quando surgiu o interesse em participar de concursos de beleza?

Foi iniciativa própria! Ganhei meu primeiro concurso de beleza aos 8 anos, na escola. Aos 13 anos entrei num curso de modelo, e dos vinte concursos que participei, fiquei em primeiro lugar em dezoito deles. Apenas em 2008 fiquei em quatro lugar no Miss Brasil representando o estado de São Paulo, e no ano passado, fiquei em segundo lugar no Miss Brasil.

- Você recebeu apoio da família ou sofreu algum tipo de preconceito, por ter escolhido essa carreira que ainda não é bem aceita pelas pessoas?

Minha mãe sempre me apoiou. Meu pai tinha uma visão um pouco machista ou até patriarca disso tudo. Ele gostaria que eu continuasse estudando para seguir os negócios da família.
Mas embora eu não tenha realizado a vontade dele, nunca abandonei os estudos. Quando havia necessidade de me desligar da faculdade devido algum evento, eu trancava o curso de jornalismo. E nos momentos livres, estava sempre me atualizando e estudando.

- Apensar de ter ficado em segundo lugar no Miss Brasil. Você é bastante falada na mídia, até mais que a vencedora do concurso. Você poderia dizer qual foi a diferença de votos entre você e ela?

Dois votos de diferença.

- Além dos títulos conquistados nos concursos, você foi apresentadora de um programa de TV na Itália. Como foi essa experiência? E como surgiu?

Fui passar uns dias na Itália, na casa de um tio por dois meses e com apenas duzentos euros. Mas esse valor é muito pouco para você "sobreviver" na Europa. Então, comecei a participar de alguns eventos, sem saber falar nada da língua local. Eu havia feito alguns contatos, e num determinado dia, o garçon de um restaurante que eu estava, chegou até mim e disse que uma pessoa que estava ali era apresentador de um programa de TV da Itália. Fomos apresentados e curiosamente ele estava procurando uma pessoa para fazer uma "ponta" no seu programa.
Inicialmente, teria um espaço de apenas um minuto no programa, mas durante a cena, ouve uma briga entre os casais do quadro, e acabei ficando um tempo maior que o determinado. A cena que foi bastante engraçada, virou uma fenômeno na Itália, e acabei caindo gosto popular devido a situação. Então, passei a fazer parte do quadro fixo da emissora devido a grande repercussão e da "aceitação" do público pela minha pessoa naquela cena.

- Você descobriu há três anos que sofre de retinose pigmentar.Poderia nos falar um pouco sobre ela, e como descobriu?

Descobri aos 21 anos. Eu tropeçava muito, principalmente em eventos quando tinha que subir escadas. Achava que era desastrada por causa da minha altura. Em um determinado dia, tropecei em um hidrante, foi então que resolvi procurar um médico para saber o que havia de errado comigo - pois um hidrante é algo fácil de enxergar.
Fiz alguns exames de vista e no dia do resultado, percebi que o médico, tinha um certo receio em dizer qual era a doença. Mas ele contou que eu sofria de retinose pigmentar e me deu todas as explicações e orientações sobre a doença.

- Desde que você descobriu a doença, você tem procurado se informar sobre ela? Perguntamos isso, pois a retinose pigmentar é uma doença pouco conhecida e com pouca informação divulgada para os pacientes.

Sim, entrei de cabeça para conhecer bem esse problema que estou enfrentando.
A retinose pigmentar é uma doença genética e degenerativa. Que em média atinge a pessoa por volta dos 20 anos, mas existem pessoas de 1 ano que sofrem da doença.
Ela não tem cura ou tratamento. E também não é considerada uma deficiência visual, pois uma deficiente visual deve ter menos de 20% da sua visão.
No meu caso, ela é recessiva, já perdi o campo periferial de visão, mas tenho uma ótima visão central. Ela pode "parar" de progredir ou continuar.

- Você disse que no seu caso ela é recessiva (menos agressiva). Existem quantos tipos dessa doença? Como uma pessoa pode descobrir qual é o tipo da retinose que ela possuí?

Existem 58 tipos de retinose pigmentar. Após o exame clínico normal, a única forma da pessoa descobrir o tipo da sua retinose é através de uma exame chamado - mapeamento genético. É um exame caro, que custa entre U$4 a U$5 mil dólares. O exame pode apontar, ou não, o tipo da retinose da pessoa.

- Mesmo sem o campo periferial da sua visão, você se saiu muito bem na passarela. Como você conseguiu lidar com a pressão durante o desfile e a "falta de visão" para desfilar.

Tenho muita fé em Deus e sou muito determinada no que quero. Eu memorizei os espaços no ensaios do Miss Minas Gerais e do Miss Brasil, e contei os passos que tinha que dar para frente, para trás e para os lados.
Ressalto que eu tinha um objetivo a ser conquistado, e sempre estar com o pensamento positivo, estar concentrada e ter muita fé em Deus, é essencial para essas e outras conquistas que ainda almejo.
.
- Você já enfrenta alguma dificuldade no seu dia a dia, ou precisa de algum "equipamento" especial para a sua doença?

Não, pois memorizo os espaços dos lugares onde estou. Em casa, peço a minha mãe pra não mudar os móveis de lugar.
Na parte da noite é mais complicado, e como eu dirijo, preciso de um carro especial devido a minha visão. O veículo deve ter apenas uma iluminação diferencial no painel e no farol.

- Com o currículo extenso de conquistas em concursos de beleza, e como apresentadora de programa de TV, você já sabe o que vai fazer após passar a faixa de Miss Minas Gerais neste ano?

Ainda estou focada como miss, é necessário que eu faça várias participações em eventos e concursos. Quando eu passar a faixa para miss que for escolhida neste ano, terei um tempo maior para dedicar-me a ONG que estou criando voltada para atender as pessoas que sofrem de retinose pigmentar. E também analisar as propostas que recebi de algumas emissoras.


O jornal Viver Bem Saúde, parceiro do Betim Online, e que participou da entrevista junto com o portal, estará em circulação amanhã com a matéria completa sobre retinose pigmentar e a ONG criada por Janaina Barcelos. A distribuição é gratuita.

Adicionar comentário

Este espaço é fornecido para que os internautas possam expressar suas opiniões sobre o artigo postado. Para outros comentários clique aqui.



Publicidade